top of page

EMGD muda nome para Bulbe e passa a atender pessoas físicas

Empresa tem planos para construir mais de 30 usinas no norte de Minas até 2024, com investimento de R$ 500 milhões.


Imagem: Divulgação


Após um processo de rebranding iniciado no ano passado, a Empresa Mineira de Geração Distribuída (EMGD) adotou o nome Bulbe e ampliou sua atuação, agregando agora atendimento a clientes pessoas físicas ― desde sua fundação, há cinco anos, a empresa era voltada exclusivamente a clientes empresariais de Minas Gerais.



A agora Bulbe inaugurou no ano passado sua primeira usina fotovoltaica, Corvina, e tem planos de investir R$ 500 milhões em mais de 30 novas plantas no Estado até 2024 .


Imagem: Divulgação


Só em Corvina, que ocupa 11 hectares na cidade de Pirapora e tem potência de 6 MWp, o investimento inicial foi de cerca de R$ 25 milhões.


“Corvina foi nosso projeto piloto e lá testamos uma série de processos, tais como o modelo de negócio, a forma de implantar e de operar, as ações junto à Cemig, administração pública, aos bancos, acionistas e órgãos ambientais””, avalia José Francisco Dutra, diretor financeiro da Bulbe.



A energia produzida na usina compensa o consumo de mais de 200 consumidores, proporcionando economia total de cerca de R$ 2,5 milhões por ano a esses clientes.


Segundo protocolo de intenções assinado com o governo mineiro em 2020, as novas usinas fotovoltaicas serão instaladas na região norte de Minas, a mais carente do estado.


Imagem: Divulgação


Com elas, a Bulbe poderá alcançar até o fim de 2024 cerca de 100 mil clientes. De acordo com José Francisco, as primeiras cinco plantas da lista começam a operar ainda este ano nas cidades de Coração de Jesus, Araçuaí e Mirabela.



“Outras dez usinas já estão em fase de projeto e serão entregues ao longo de 2022.”


Um trunfo da empresa, segundo o diretor, são as ferramentas digitais próprias, que permitem ao cliente um controle transparente sobre cada detalhe de sua cota de energia contratada.


Imagem: Divulgação


“São facilmente disponíveis consultas sobre créditos de energia consumidos mês a mês, economia alcançada, canais diretos de comunicação com o atendimento, e outros recursos interativos”, diz.


Fonte: Fotovolt