top of page

Com alta no preço da conta de luz, busca por energia solar cresce cada vez mais no Brasil

Crise hídrica e aumento na conta de luz são os principais impulsionadores. Um levantamento com base em mais de 2,5 milhões de acessos, mostrou que a procura por fontes de energia solar cresceu 117% no Brasil, no período.

Imagem: Divulgação O maior interesse é atribuído às altas da energia elétrica com bandeira vermelha 2 em vigência e a crise hídrica que leva a esta situação, com acionamento de termelétricas. A maior busca se deu por projetos fotovoltaicos em telhados e pequenos terrenos. A plataforma conecta consumidores com cerca de 20 mil empresas de energia fotovoltaica no País, entre distribuidores, revendedores, instaladores, projetistas e outras. O uso de energia solar é atualmente uma das melhores alternativas para o consumidor ter segurança de abastecimento e fugir dos constantes aumentos na tarifa de energia. “Certamente, o avanço da energia solar nos telhados e pequenos terrenos é parte da solução para a crise hídrica e para o risco de racionamento no Brasil, além de ser uma fonte limpa e barata”, explica. Com o aumento da procura por projetos fotovoltaicos, é esperado um crescimento este ano de 5,4 mil novas companhias neste segmento no país, que vai corresponder a um crescimento de 27% no volume atual de organizações no mercado. Atualmente, a plataforma cadastra uma média de 450 novas empresas por mês na área. Estimativas do setor dão conta de que as companhias de geração solar distribuída empregam atualmente cerca de 174 mil profissionais, com investimentos acumulados que ultrapassam R$ 29 bilhões em pequenas usinas de autogeração de energia em residências, comércios e indústrias.

O País possui hoje mais de 500 mil sistemas fotovoltaicos instalados em telhados e pequenos terrenos, num total de 5,9 gigawatts (GW) em operação. Quer ficar bem informado(a) sobre nossos informativos, e interagir com a gente? Cadastre-se grátis e esteja sempre por dentro de todos os nossos conteúdos www.energiasolarshop.com.br

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page